GESTÃO AMBIENTAL

.posts recentes

. VISITANTES

. SEDIMENTAÇÃO - SEDIMENTAT...

. SECA SAZONAL

. SECA CONTINGENTE - IT DRI...

. SAVANA - SAVANNAH

. SAPROPEL

. SANEAMENTO BÁSICO - BASIC...

. SANEAMENTO AMBIENTAL - AM...

. SANEAMENTO - SANITATION

. SALOBRA

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

Segunda-feira, 21 de Abril de 2008

RECURSO AMBIENTAL

Recurso ambiental
Recurso natural constituído pela atmosfera, águas interiores, superficiais e subterrâneas, estuários, mar territorial, solo, subsolo, elementos da biosfera, como fauna e flora. (2) A atmosfera, as águas interiores, superficiais e subterrâneas e os estuários, o mar territorial, o solo, o subsolo e os elementos da biosfera (Lei nº 6938 de 31.08.81). (3) Os elementos naturais bióticos e abióticos de que dispõe o homem, para satisfazer suas necessidades econômicas, sociais e culturais (Lei nº 33 de 27.12.80 - República de Cuba). (4) A atmosfera, as águas interiores, superficiais e subterrâneas, os estuários, o mar territorial, o solo, o subsolo, os elementos da biosfera, a fauna e a flora.
publicado por LUCIANO às 23:54
link do post | comentar | favorito
|

RECICLAGEM

Reciclagem
Obtenção de materiais a partir de resíduos, introduzindo-os de novo no ciclo da reutilização com a finalidade de reduzir o lixo industrial e doméstico. Reaproveitamento de algum material. (2) Reutilização de recursos através da recuperação de detritos, reconcentração e reprocessamento para o uso industrial. (3) Ato de tornar útil e disponível novamente, eventualmente através de um processo de transformação físico-química, material que já foi utilizado anteriormente dentro de um sistema. Materiais que seriam descartados como lixo tornam-se novamente matéria-prima para a manufatura de bens, reduzindo a extração de recursos naturais. (4) Processo de transformação de materiais descartados, que envolve a alteração das propriedades físicas e fisico-químicas dos mesmos, tornando-os insumos destinados a processos produtivos, tratamento de resíduos, ou de material usado, de forma a possibilitar sua reutilização; processamento de materiais, rejeitos ou sobras; processo que utiliza rejeitos do processo produtivo como matéria-prima; a reciclagem de rejeitos industriais diminui o volume de resíduos que necessitam de disposição final e, conseqüentemente, os custos do processo de produção; diferente de reutilização ou reaproveitamento.
publicado por LUCIANO às 23:52
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

RAVINAMENTO

Ravinamento
Sulcos formados pela erosão proveniente das ravinas. (2) Tipo de erosão do solo causada pela ação da concentração de água de escoamento superficial, criando pequenas fissuras na superfície do solo. (3) Sulcos produzidos nos terrenos, devido ao trabalho erosivo das águas de escoamento. Pequenas incisões feitas na superfície do solo quando a água de escoamento superficial passa a se concentrar e a fazer pequenos regos.
publicado por LUCIANO às 23:50
link do post | comentar | favorito
|

RADIOATIVIDADE

Radioatividade
Fenômeno em que alguns núcleos atômicos emitem partículas ou raios como beta (elétron) e alfa (núcleo do átomo de hélio) ou ondas eletromagnéticas chamadas raios-gama ou radiação-gama. Certos núcleos sofrem processos espontâneos de desintegração liberando energia e emitindo um ou mais tipos de radiação. Pode haver também radiações artificiais, cujos efeitos são preocupantes. A medida de radiação é o rem, que acusa a quantidade e os efeitos biológicos de radiação. (2) Propriedade de algumas substâncias de emitir partículas ou radiação em substâncias que sofrem decomposição radiativa; o mesmo que radiatividade.
publicado por LUCIANO às 23:48
link do post | comentar | favorito
|

RADIAÇÃO

Radiação
As radiações emitidas podem ser naturais ou artificiais. Os raios do sol, p.ex., ou os materiais radiativos naturais das jazidas estão entre as radiações naturais do planeta. Dejetos nucleares de centrais ou bombas de cobalto utilizadas em hospitais estão entre as fontes de radiação produzidas artificialmente. (2) Emissão e propagação de energia através do espaço de um meio material sob a forma de ondas eletromagnéticas, sonoras, etc. (ACIESP, 1980). (3) Emissão de partículas atômicas rápidas ou raios pelo núcleo de um átomo (BRAILE, 1983). (4) Energia emitida ou que se desloca na forma de ondas eletromagnéticas, fótons, ondas acústicas ou partículas subatômicas; forma de transferência de calor.
publicado por LUCIANO às 23:46
link do post | comentar | favorito
|

RAÇA ECOLÓGICA - ECOLOGICAL RACE

Raça ecológica
População ou conjunto de populações com distribuição restrita e que está estritamente adaptada às condições de um habitat local. Na prática, pode ser difícil caracterizar uma população como ecótipo ou raça ecológica, especialmente na ausência de testes de cultivo experimental.
publicado por LUCIANO às 23:21
link do post | comentar | favorito
|

QUEIMADA - FOREST FIRE

Queimada
Prática agropastoril ou florestal, em que o fogo é utilizado de forma controlada, atuando como um fator de produção. (2) Prática agrícola rudimentar, proibida pelo artigo 27 do Código Florestal, que consiste na queima da vegetação natural, quase sempre matas, com o fim de preparar o terreno para semear ou plantar ; essa prática prejudica a fertilidade do solo pela liberação dos sais minerais. Queima de mato, principalmente para utilização do solo na agricultura (CARVALHO, 1981). (3) Método primitivo de preparo do solo para o plantio ou pastagem e a forma mais barata e também a mais nociva de executar essa tarefa, empobrecendo o solo e consumindo seus nutrientes; fumaça da queimada causa danos à saúde e contribui para o aquecimento global; as queimadas e a derrubada de florestas são responsáveis por 70% das emissões de gases estufa no Brasil; o Ministério do Meio Ambiente calcula que 300 mil queimadas acontecem por ano em todo o território nacional; a atividade necessita de autorização prévia do Ibama ou do órgão ambiental estadual; fazer queimada sem autorização é infração ambiental punível com multa.
tags:
publicado por LUCIANO às 23:18
link do post | comentar | favorito
|

QUALIDADE DE VIDA - QUALITY OF LIFE

Qualidade de vida
Conceito que avalia as condições da existência do ser humano em relação ao ambiente que o cerca. A qualidade de vida representa algo mais que um nível de vida particular mais elevado, pois pressupõe uma infra-estrutura social pública capaz de atuar em benefício do bem comum e manter limpo o meio-ambiente. (2) Resultado da máxima disponibilidade da infra-estrutura social pública para atuar em benefício do bem comum (condições gerais de habitação, saúde, educação, cultura, alimentação, lazer, etc.) e para manter o meio adequado à reprodução e desenvolvimento da sociedade, respeitando a capacidade de reposição dos recursos naturais; meio ambiente ecologicamente equilibrado é essencial à sadia qualidade de vida; nesse caso não se refere ao nível de vida privado.
publicado por LUCIANO às 23:16
link do post | comentar | favorito
|

QUALIDADE DA ÁGUA - QUALITY OF THE WATER

Qualidade da água
Características químicas, físicas e biológicas, relacionadas com o seu uso para um determinado fim. A mesma água pode ser de boa qualidade para um determinado fim e de má qualidade para outro, dependendo de suas características e das exigências requeridas pelo uso específico. A qualidade da água está em relação com os usos múltiplos dos recursos hídricos.
publicado por LUCIANO às 23:13
link do post | comentar | favorito
|

QUALIDADE AMBIENTAL - AMBIENT QUALITY

Qualidade ambiental
O estado do meio ambiente, como objetivamente percebido, em termos de medição de seus componentes, ou subjetivamente, em termos de atributos tais como beleza e valor (MUNN, 1979). (2) É o estado do ar, da água, do solo e dos ecossistemas, em relação aos efeitos da ação humana (HORBERRY, 1984). (3) Estado das principais variáveis do ambiente que afetam o bem-estar dos organismos, particularmente dos humanos. Termos empregados para caracterizar as condições do ambiente segundo um conjunto de normas e padrões ambientais pré-estabelecidos. A qualidade ambiental é utilizada como valor referencial para o processo de controle ambiental. (4) Resultado dos processos dinâmicos e interativos dos elementos do sistema ambiental, define-se como o estado do meio ambiente, numa determinada área ou região, conforme é percebido objetivamente, em função da medição da qualidade de aluns de seus componentes, ou mesmo subjetivamente, em relação a determinados atributos, como a beleza, o conforto, o bem-estar (FEEMA, 1997).
publicado por LUCIANO às 23:10
link do post | comentar | favorito
|

PROTOCOLO DE KYOTO - KYOTO PROTOCOL

Protocolo de Kyoto
Instrumento legal para obrigar os países signatários da Convenção sobre Mudanças Climáticas a reduzir os níveis de emissão de gases de efeito estufa, que continuaram crescendo após a assinatura da convenção, em 1992; o protocolo estipula a criação de um fundo anual de quase US$500 milhões, abastecido pelos países industrializados, para facilitar a adaptação das nações pobres às exigências do protocolo; também determina regras para a compra e venda de créditos obtidos por cortes nas emissões de dióxido de carbono, apontado como o grande vilão do efeito estufa.
publicado por LUCIANO às 23:07
link do post | comentar | favorito
|

PRODUTO FLORESTAL - FOREST PRODUCT

Produto florestal
Aquele que se encontra, no seu estado bruto ou in natura , numa das seguintes formas: madeira em toras; toretes; postes não imunizados; escoramentos; palanques roliços; dormentes nas fases de extração/fornecimento; mourões ou moirões; achas e lascas; pranchões desdobrados com moto-serra; lenha; palmito; xaxim; óleos essenciais; bloco ou filó, tora em formato poligonal, obtida a partir da retirada de costaneiras. Considera-se, ainda produto florestal, as plantas ornamentais, mediciais e aromáticas, bem como as mudas, raízes, bulbos, cipó e folhas de origem nativa (Portaria IBAMA 44-N/93).
publicado por LUCIANO às 23:04
link do post | comentar | favorito
|

PRESERVAÇÃO - PRESERVATION

Preservação
Sistema de proteção conferido a determinada área quando se deseja garantir sua intocabilidade. (2) Ação de proteger, contra a destruição e qualquer forma de dano ou degradação, um ecossistema, uma área geográfica defina ou espécies animais e vegetais ameaçados de extinção, adotando-se as medidas preventivas legalmente necessárias e as medidas de vigilância adequadas. Prevenção de ações futuras que possam afetar um ecossistema (USDT, 1980). (3) É a proteção rigorosa de determinadas áreas e de seus recursos naturais, considerados de grande valor como patrimônio ambiental, sem qualquer intervenção humana. (4) Conjunto de métodos, procedimentos e políticas que visam a proteção a longo prazo das espécies, habitats e ecossistemas, além da manutenção dos processos ecológicos, prevenindo a simplificação dos sistemas naturais (ARRUDA et alii, 2001). (5) São as práticas de conservação da natureza que asseguram a proteção integral dos atributos naturais (ARRUDAet alii, 2001). (6) Conjunto de métodos, procedimentos e políticas que visem à proteção a longo prazo das espécies, dos habitats e ecossistemas, além da manutenção dos processos ecológicos, prevenindo a simplificação dos sistemas naturais; parte integrante da conservação. (7) Cuidar da sobrevivência das espécies de organismos vivos, animais e vegetais (Glossário Ibama, 2003).
publicado por LUCIANO às 23:01
link do post | comentar | favorito
|

POPULAÇÃO - POPULATION

População
Em ecologia, o termo população, cunhado inicialmente para designar um grupo de pessoas, ampliou-se para incluir grupos de indivíduos de qualquer classe de organismos (ODUM, 1972). (2) Conjunto de organismos da mesma espécie que habita um determinado espaço (Glossário Ibama, 2003).
publicado por LUCIANO às 22:58
link do post | comentar | favorito
|

POLUIÇÃO DO SOLO - POLLUTION OF THE GROUND

Poluição do solo
Contaminação do solo por qualquer um dos inúmeros poluentes derivados da agricultura, da mineração, das atividades urbanas e industriais, dos dejetos animais, do uso de herbicidas ou dos processos de erosão.
publicado por LUCIANO às 22:56
link do post | comentar | favorito
|

POLUIÇÃO DO AR - POLLUTION OF AIR

Poluição do ar
Ou poluição atmosférica. É a acumulação de qualquer substância ou forma de energia no ar, em concentrações suficientes para produzir efeitos mensuráveis no homem, nos animais, nas plantas ou em qualquer equipamento ou material, em forma de particulados, gases, gotículas ou qualquer de suas combinações.
publicado por LUCIANO às 22:54
link do post | comentar | favorito
|

POLUIÇÃO DA ÁGUA - POLLUTION OF THE WATER

Poluição da água
É o lançamento nas águas dos mares, dos rios, dos lagos e demais corpos d´água, superficiais ou subterrâneos, de substâncias químicas, físicas ou biológicas que afetem diretamente as características naturais das águas e a vida ou que venham a lhes causar efeitos adversos secundários.
publicado por LUCIANO às 22:52
link do post | comentar | favorito
|

POLUIÇÃO AMBIENTAL - AMBIENT POLLUTION

Poluição ambiental
Qualquer alteração do meio ambiente prejudicial aos seres vivos. Nesse caso, incluem-se a poluição atmosférica, provocada pelas nuvens de fumaça e vapor de instalações industriais e dos escapamentos de veículos; a poluição sonora, causada pelo barulho de máquinas, buzinas de veículos, sons de rádio, aparelhos de som e tevê muito altos; e a poluição visual, decorrente do grande número de cartazes, faixas e luminosos espalhados pelas ruas das cidades. (2) É a adição, tanto por fonte natural ou humana, de qualquer substância estranha ao ar, à água ou ao solo, em tais quantidades que tornem esse recurso impróprio para uso específico ou estabelecido. Presença de matéria ou energia, cuja natureza, localização e quantidade produzam efeitos ambientais indesejados (The World Bank, 1978). (3) A degradação ambiental resultante de atividades que direta ou indiretamente: a) prejudiquem a saúde, a segurança e o bem-estar da população; b) criem condições adversas às atividades sociais e econômicas; c) afetem desfavoravelmente a biota; d) afetem as condições estéticas ou sanitárias do meio ambiente; e) lancem materiais estabelecidos (Lei nº 6.938 de 30.08.81 - Brasil). (4) A introdução, pelo homem, direta ou indiretamente, de substâncias ou energia no meio ambiente, que resultem em efeitos deletérios de tal natureza que ponham em risco a saúde humana, afetem os recursos bióticos e os ecossistemas, ou interfiram com usos legítimos do meio ambiente (Dec-Ece-Convention Pollution, 1983)
publicado por LUCIANO às 22:49
link do post | comentar | favorito
|

POLUIÇÃO - POLLUTION

Poluição
Qualquer interferência prejudicial aos usos preponderantes das águas, do ar e do solo, previamente estabelecidos. (2) Qualquer alteração das propriedades físicas, químicas ou biológicas do meio ambiente, causada por qualquer forma de matéria ou energia resultante das atividades humanas que, direta ou indiretamente, afetam a saúde, a segurança e o bem-estar da população, as atividades sociais e econômicas, a biota, as condições estéticas e sanitária do meio ambiente e a qualidade dos recursos ambientais (ARRUDA et alii, 2001). (3) Degradação da qualidade ambiental resultante de atividades que direta ou indiretamente; prejudiquem a saúde, a segurança e o bem estar da população; criem condições adversas às atividades sociais e econômicas; afetem desfavoravelmente a biota; afetem as condições estéticas ou sanitárias do meio ambiente; lancem matérias ou energia em desacordo com os padrões ambientais estabelecidos (Lei 6.938/81). (4) É a adição ou o lançamento de qualquer substância, matéria ou forma de energia (luz, calor, som) ao meio ambiente em quantidades que resultem em concentrações maiores que as naturalmente encontradas. Os tipos de poluição são, em geral, classificados em relação ao componente ambiental afetado (poluição do ar, da água, do solo), pela natureza do poluente lançado (poluição química, térmica, sonora, radioativa, etc.) ou pelo tipo de atividade poluidora (poluição industrial, agrícola, etc.). A degradação da qualidade ambiental resultante de atividades que direta ou indiretamente: a) prejudiquem a saúde, a segurança e o bem-estar da população; b) criem condições adversas às atividades sociais e econômicas; c) afetem desfavoravelmente a biota; d) afetem as condições estéticas ou sanitárias do meio ambiente; e) lancem materiais ou energia em desacordo com os padrões ambientais estabelecidos (Lei nº 6.938/81, art. 3º, III). Constitui um dos grandes problemas ecológicos e ambientais para a espécie humana e o planeta Terra. É multiforme e generalizada, profundamente associada ao crescimento econômico, à produção e ao consumo. (5) Mudança indesejável no ambiente; introdução de concentrações exageradamente altas de substâncias prejudiciais ou perigosas, calor ou ruído; geralmente decorre de atividades humanas.
publicado por LUCIANO às 22:47
link do post | comentar | favorito
|

POLUENTES - POLLUTANTS

Poluentes
Detritos sólidos, líquidos ou gasosos nocivos à saúde, de origem natural ou industrializados, que são lançados no ar, na água ou no solo. (2) Substância, meio ou agente que provoque, direta ou indiretamente, qualquer forma de poluição. (3) Qualquer substância líquida, sólida ou gasosa, introduzida em um recurso natural e que o torne impróprio para uma finalidade específica (The World Bank, 1978). (4) Partícula que contamina o ar. Sinônimo de contaminante. (5) Qualquer substância ou energia que, lançada para o meio, interfere com o funcionamento de parte ou de todo ecossistema. Os poluentes podem afetar a estrutura e as funções dos ecossistemas. (6) Qualquer substância ou energia que, lançada para o meio, interfira de modo nocivo no funcionamento de parte ou de todo o ecossistema; a intensidade da ação de um poluente pode variar segundo o ambiente.
tags:
publicado por LUCIANO às 22:44
link do post | comentar | favorito
|

POLUENTE BIODEGRADÁVEL

Poluente biodegradável
São em geral refugos de natureza orgânica, como o esgoto sanitário, que se decompõem com rapidez por meio de processos naturais ou controlados, estabilizando-se por fim (CARVALHO, 1981).
publicado por LUCIANO às 22:42
link do post | comentar | favorito
|

POLUENTE ATMOSFÉRICO - ATMOSPHERIC POLLUTANT

Poluente atmosférico
Qualquer forma de matéria ou energia com intensidade e em quantidade, concentração, tempo ou características em desacordo com os níveis estabelecidos, e que tomem ou possam tornar o ar impróprio, nocivo ou ofensivo à saúde; inconveniente ao bem-estar público; danoso aos materiais, à fauna e à flora; prejudicial à segurança, ao uso e gozo da propriedade e às atividades normais da comunidade (Portaria Normativa IBDF 348/90 e Resolução CONAMA 003/90).
publicado por LUCIANO às 22:40
link do post | comentar | favorito
|

PNUMA

PNUMA
Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. Estabelecido pela ONU em 1972, a partir de acordos discutidos durante a Conferência de Estocolmo de 1972 sobre Ambiente Humano. O PNUMA é uma unidade das Naçães Unidas, e não uma de suas agências especializadas, portanto é mantido por doações voluntárias e não pelas contribuições dos diversos governos. O PNUMA se reporta diretamente à Assembleia Geral através do Conselho Econômico e Social da ONU (UNEP).
tags:
publicado por LUCIANO às 22:38
link do post | comentar | favorito
|

PLASTICIDADE FENOTIPICA

Plasticidade fenotípica
Mudança morfológica em um organismo, quando sujeito a distintos estímulos ambientais. Um exemplo comum é aquele provido por plantas aquáticas, cujas folhas submersas apresentam morfologia diferente daquelas sobre a água. Outra situação, freqüentemente encontrada entre plantas daninhas e plantas invasoras, é a profusão de morfologia foliar presente entre os indivíduos da população. Estas formas são definidas como morfótipos, capacidade mostrada pelo genótipo de assumir fenótipos diferentes. Toda plasticidade fenotípica é geneticamente determinada.
publicado por LUCIANO às 22:35
link do post | comentar | favorito
|

PLANTAÇÃO FLORESTAL - FOREST PLANTATION

Plantação florestal
Áreas com cobertura arbórea que carece da maior parte das principais características e elementos chaves de ecossistemas naturais conforme definições dos padrões nacionais e regionais de manejo florestal aprovados pelo FSC. Estas áreas são resultantes de atividades humanas tanto de plantio, semeadura ou tratamento silviculturais intensos.
publicado por LUCIANO às 22:33
link do post | comentar | favorito
|

PLANOS DIRETORES AMBIENTAIS - AMBIENT MANAGING PLANS

Planos diretores ambientais
Conjunto de diretrizes, etapas de realização, restrições e permissões, idealizados com base em diagnósticos prévios, para disciplinar o desenvolvimento de projetos e atividades em uma determinada área, com vista ao alcance de objetivos e metas de recuperação e conservação ambiental.
publicado por LUCIANO às 22:30
link do post | comentar | favorito
|

PLANO DE RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADA

Plano de recuperação de área degradada
Operações que têm por objetivo o retorno do sítio degradado a uma forma de utilização, de acordo com um plano pré-estabelecido para o uso do solo, visando a obtenção de uma estabilidade do meio ambiente (Decreto 97.632/89).
publicado por LUCIANO às 22:29
link do post | comentar | favorito
|

PLANO DE PROTEÇÃO DO SOLO E DE COMBATE À EROSÃO

Plano de proteção ao solo e de combate à erosão
Conjunto de medidas que visa a promover a racionalização do uso do solo e o emprego de tecnologia adequada, objetivando a recuperação de sua capacidade produtiva e a sua preservação (Decreto 77.775/76).
publicado por LUCIANO às 22:26
link do post | comentar | favorito
|

PLANO DE MANEJO FLORESTAL - PLAN OF FOREST HANDLING

Plano de manejo florestal e plano operacional anual
O plano de manejo florestal e os planos operacionais são documentos escritos baseados em critérios técnicos adequados, em conformidade com a legislação ambiental e outras leis nacionais disponíveis. O plano de manejo se refere ao ordenamento das atividades florestais na unidade de manejo como um todo e o plano operacional anual se refere às atividades específicas naquele ano.
publicado por LUCIANO às 22:23
link do post | comentar | favorito
|

PLANO DE MANEJO - HANDLING PLAN

Plano de manejo
Documento técnico mediante o qual, com fundamento nos objetivos gerais de uma unidade de conservação, se estabelece o seu zoneamento e as normas que devem presidir o uso da área e o manejo dos recursos naturais, incluindo a implantação das estruturas físicas necessárias à gestão da Unidade, segundo o Roteiro Metodológico (ARRUDA et alii, 2001). (2) Projeto dinâmico que, utilizando técnicas de planejamento ecológico, determine o zoneamento de um Parque Nacional, caracterizando cada uma das suas zonas e propondo seu desenvolvimento físico, de acordo com suas finalidades (Decreto 84.017/79). (3) Documento técnico que estabelece o zoneamento e as normas de uso de uma unidade de conservação, segundo os objetivos para os quais foi criada; define o manejo dos recursos naturais, inclusive a implantação das estruturas físicas necessárias à gestão da unidade.
publicado por LUCIANO às 22:19
link do post | comentar | favorito
|

PLANEJAMENTO AMBIENTAL - AMBIENT PLANNING

Planejamento Ambiental
Identificação de objetivos adequados ao ambiente físico a que se destinam, incluindo objetivos sociais e econômicos, e a criação de procedimentos e programas administrativos para atingir aqueles objetivos.
publicado por LUCIANO às 22:17
link do post | comentar | favorito
|

PLÂNCTON

Plâncton
Conjunto de pequenos seres. Conjunto de seres vivos (vegetais e animais) que flutuam passivamente na superfície de lagos ou oceanos. As espécies vegetais são chamadas de fitoplâncton e as animais recebem o nome de zooplâncton. O plâncton constitui a base das cadeias alimentares dos oceanos. (2) Organismos comumente microscópicos: os vegetais (fitoplâncton, por exemplo, algas e bactérias) ou animais (zooplâncton, por exemplo, Crustáceos, Rotatórios) que flutuam na zona superficial iluminada da água marinha ou lacustre, fonte principal de alimento dos animais marinhos (GOODLAND, 1975). (3) Conjunto de organismos que vivem na água e que, apesar de possuírem movimentos próprios, são incapazes de vencer correntezas, sendo arrastados passivamente (ACIESP, 1980). (4) Conjunto de organismos e diminutos seres vivos (algas unicelulares, protozoários, larvas e outros), que vivem na água e que, apesar de possuírem movimentos próprios, são incapazes de vencer correntezas, sendo arrastados passivamente. Há os fitoplâncton (vegetais) e zooplâncton (animais). (5) Conjunto de pequenos animais (zooplâncton) e vegetais (fitoplâncton) que vivem em suspensão na água. O fitoplâncton que, por sua vez, é importante fonte de alimentação de numerosos animais aquáticos.
tags:
publicado por LUCIANO às 22:14
link do post | comentar | favorito
|

PIRÓLISE

Pirólise
É um processo que tem como principal aplicação o tratamento e a destinação final do lixo, sendo energéticamente auto-sustentável não necessitando de energia externa, o que desperta uma grande atenção e a faz tão fascinante do ponto de vista científico e prático. O processo de pirólise pode ser genericamente definido como sendo o de decomposição química por calor na ausência de oxigênio, saliento ainda que o seu balanço energético é positivo, ou seja produz mais energia do que consome. Os resíduos que alimentam o reator pirolítico podem ser provenientes do lixo doméstico, do processamento de plásticos e industriais. O processo consiste da trituração destes resíduos que deverão ser previamente selecionados, após esta etapa serão destinados ao reator pirolítico onde através de uma reação endotérmica ocorrerão as separações dos subprodutos em cada etapa do processo .
tags:
publicado por LUCIANO às 22:12
link do post | comentar | favorito
|

PIRACEMA

Piracema
Processo de subida dos cardumes de peixes até a nascente dos rios, com a finalidade de se reproduzirem. (2) Migração animal de grandes cardumes de peixes rio acima na época da desova ou com as primeiras chuvas. (3) Migração anual de grandes cardumes de peixes rio acima na época da desova, ou com as primeiras chuvas; cardume ambulante de peixe.
tags:
publicado por LUCIANO às 21:51
link do post | comentar | favorito
|

POTENCIAL DE HIDROGÊNIO (pH)

pH
Em química, a medida quantitativa da acidez ou basicidade (alcalinidade) de uma solução líquida. A medida da acidez ou alcalinidade de um material líquido ou sólido. É representado em uma escala de zero a 14 com o valor 7 representando o estado neutro, o valor zero o mais ácido e o valor 14 o mais alcalino (The Work Bank, 1978). (2) É o logaritmo do inverso da concentração hidrogênica e por este motivo o índice de ácido-alcalinidade da água ou de outro líquido, ou até mesmo dos solos. As águas chamadas duras têm pH alto (maior que 7) e as brandas, baixa (menor que 7) (CARVALHO, 1981). (3) Medida da acidez ou alcalinidade de um material líquido ou sólido; importante parâmetro para avaliação de águas naturais ou servidas, pois a existência de grande parte da vida biológica só é possível dentro de estreitos limites dessa variação. Numa escala de 0 a 14, o valor 7 representa o estado neutro; o valor 0, o mais ácido e o valor 14, o mais alcalino; uma substância com pH alto á alcalina e com pH baixo é ácida; a água servida com pH alterado deve ser corrigida antes de ser lançada em águas naturais; grafia correta: p minúsculo e H maiúsculo.
publicado por LUCIANO às 21:47
link do post | comentar | favorito
|

PEDOLOGIA - PEDOLOGY

Pedologia
Ciência que estuda os solos. Estudo da origem e desenvolvimento dos diversos tipos de solos. (2) Ciência que estuda a composição, aspecto, formação e propriedades do solo. Relaciona-se com a geologia e a agronomia.
tags:
publicado por LUCIANO às 21:44
link do post | comentar | favorito
|

PECULIARIDADES AMBIENTAIS - AMBIENT PECULIARITIES

Peculiaridades ambientais
A expressão envolve os sistemas ambientais, alterados ou não, destacando os componentes bióticos e abióticos, seus fatores, seus processos naturais, seus atributos (qualidade, valor sociocultural), os patrimônios culturais, cênicos, da biodiversidade que se destacam pela raridade, potencialidade ou fragilidade. Envolvem também a tipologia e a qualificação dos recursos naturais (ARRUDA et alii, 2001).
publicado por LUCIANO às 21:42
link do post | comentar | favorito
|

PATRIMÔNIO ESPELEOLÓGICO

Patrimônio espeleológico
Conjunto de elementos bióticos e abióticos, sócio-econômicos e histórico-culturais, subterrâneos ou superficiais, representado pelas cavidades naturais subterrâneas ou a estas associados (Decreto 99/556/90). (2) Conjunto de elementos bióticos e abióticos, sócio-econômicos e histórico-culturais, superficiais e/ou subterrâneos, representados ou associados às cavidades naturais subterrâneas (Portaria IBAMA 887/90).
publicado por LUCIANO às 21:27
link do post | comentar | favorito
|

PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE - PATRIMONY OF THE HUMANITY

Patrimônio da Humanidade
Instrumento criado em 1972 pela Convenção do Patrimônio Mundial da UNESCO, para incentivar a preservação de bens culturais e naturais considerados significativos para a humanidade; os países signatários dessa Convenção podem indicar bens culturais a serem inscritos na Lista do Patrimônio Mundial: as informações sobre cada candidatura são avaliadas por comissões técnicas e a aprovação final é feita anualmente pelo Comitê do Patrimônio Mundial, integrado por representantes de 21 países; a proteção e conservação dos bens declarados Patrimônio da Humanidade é compromisso do país onde se localizam. Ao todo, são 571 monumentos inscritos. O Brasil possui 16 bens inscritos na Lista do Patrimônio Mundial, entre os quais estão alguns monumentos naturais:
publicado por LUCIANO às 21:22
link do post | comentar | favorito
|

PARQUES ZOOLÓGICOS - ZOOLOGICAL PARKS

Parques zoológicos
Instituições em que se mantêm em cativeiro, sob condições adequadas, animais de diferentes espécies, visando à educação, cultura e entretenimento popular, bem como ao estudo da biologia animal, buscando o conhecimento de seus costumes e necessidades com vista às diretrizes seguras para sua conservação e proteção.
publicado por LUCIANO às 21:20
link do post | comentar | favorito
|

PARQUES ESTADUAIS - STATE PARKS

Parques estaduais
Áreas delimitadas e pertencentes ao poder público com o objetivo de proteger unidades representativas de um ou mais ecossistemas naturais, visando à conservação de seus recursos genéticos, à investigação científica e possibilitando a visitação pública com fins educativos, culturais e recreativos.
publicado por LUCIANO às 21:18
link do post | comentar | favorito
|

PARQUE NACIONAL - NATIONAL PARK

Parque Nacional
Áreas geográficas extensas e delimitadas, dotadas de atributos naturais excepcionais, objeto de preservação permanente, submetidas à condição de inalienabilidade e indisponibilidade de todos. Os parques nacionais destinam-se a fins científicos, culturais, educativos e recreativos, e criados e administrados pelo Governo Federal constituem-se bens da união destinados ao uso comum do povo, cabendo às autoridades motivadas pelas razões de sua criação preservá-los e mantê-los intocáveis. (Decreto Federal 84 017/79, artigo 1o). No Brasil, atualmente existem 45 Parques Nacionais. (2) São áreas geográficas extensas e delimitadas, dotadas de atributos naturais excepcionais, objeto de preservação permanente, submetidas à condição de inalienabilidade e indisponibilidade de seu todo (ARRUDA et alii, 2001). (3) PARNA - Tem como objetivo básico a preservação de ecossistemas naturais de grande relevância ecológica e beleza cênica, possibilitando a realização de pesquisas científicas e o desenvolvimento de atividades de educação e Interpretação ambiental, de recreação em contato com a natureza e de turismo ecológico (ARRUDAet alii, 2001).
publicado por LUCIANO às 21:15
link do post | comentar | favorito
|

PÂNTANO - QUAGMIRE

Pântano
Terreno plano, constituindo baixadas inundadas, junto aos rios (GUERRA, 1978). (2) Terras baixas, inundadas na estação chuvosa e, em geral, constantemente encharcadas (DNAEE, 1976). (3) Em estudos de vegetação, área com solo permanentemente coberto de alguns centímetros de água ou com lençol freático dentro de alguns centímetros abaixo da superfície e o solo encharcado, e que sustenta plantas lenhosas (fisionomia de savana, escrube, arvoredo ou floresta) (ACIESP, 1980).
tags:
publicado por LUCIANO às 21:11
link do post | comentar | favorito
|

PANTANAL

Pantanal
Denominação dada a uma unidade geomorfológica do Estado do Mato Grosso (atualmente, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul). Abrange esta unidade uma área de 388.995 km2. Geomorfologicamente, o Pantanal pode ser definido por uma extensa planície de sedimentos holocênicos, onde se encontram alguns blocos falhados (GUERRA, 1978). (2) É o conjunto de vegetação que se desenvolve na região do pantanal, no oeste de Mato Grosso, a uma altitude de 100 a 200 metros, nas proximidades dos rios da bacia do Rio Paraguai. As enchentes destes rios, de outubro a março, cobrem vastas regiões que podem se mostrar secas de abril a setembro. Estes fenômenos propiciam ali uma grande quantidade de pontos dotados de condições ecológicas as mais diferentes (CARVALHO, 1981).
tags:
publicado por LUCIANO às 21:09
link do post | comentar | favorito
|

PADRÕES DE QUALIDADE DO AR - STANDARDS OF QUALITY OF AIR

Padrões de qualidade do ar
Os níveis de poluentes prescritos para o ar exterior, que por lei não podem ser excedidos em um termo e uma área geográfica determinados (The World Bank, 1978). (2) É o limite do nível de poluentes do ar atmosférico que legalmente não pode ser excedido, durante um tempo específico, em uma área geográfica específica (BRAILE, 1983). (3) Limites de concentrações de poluentes atmosféricos que, ultrapassados, poderão afetar a saúde, a segurança e o bem-estar da população, bem como ocasionar danos à flora e à fauna, aos materiais e ao meio ambiente em geral (Resolução CONAMA 003/90).
publicado por LUCIANO às 21:06
link do post | comentar | favorito
|

PADRÕES DE QUALIDADE AMBIENTAL - STANDARDS OF AMBIENT QUALITY

Padrões de qualidade ambiental
Condições limitantes da qualidade ambiental, muitas vezes expressas em termos numéricos, usualmente estabelecidos por lei e sob jurisdição específica, para a proteção da saúde e do bem-estar dos homens (MUNN, 1979).
publicado por LUCIANO às 21:03
link do post | comentar | favorito
|

PADRÕES DE POTABILIDADE

Padrões de potabilidade
São as quantidades limites que, com relação aos diversos elementos, podem ser tolerados nas águas de abastecimento, quantidades essas fixadas, em geral, por leis, decretos ou regulamentos regionais (ABNT, 1973). Os padrões de potabilidade foram estabelecidos pela Portaria nº 56/Bsb de 14.03.77, baixada pelo Ministério da Saúde, em cumprimento ao Decreto nº 78367 de 09.03.77.
publicado por LUCIANO às 21:02
link do post | comentar | favorito
|

PADRÕES DE EMISSÃO - EMISSION STANDARDS

Padrões de emissão
Maior quantidade de um determinado poluente que pode ser legalmente lançado de uma única fonte ao ar. No Brasil, os padrões de emissão são estabelecidos pelo Ibama ou pelos Órgãos Estaduais de Controle.
publicado por LUCIANO às 21:00
link do post | comentar | favorito
|

PADRÕES DE EFLUENTES - STANDARDS OF EFFLUENT

Padrões de efluentes (líquido)
Padrões a serem obedecidos pelos lançamentos diretos e indiretos de efluentes líquidos, provenientes de atividades poluidoras, em águas interiores ou costeiras, superficiais ou subterrâneas (PRONOL/FEEMA NT 202).
publicado por LUCIANO às 20:57
link do post | comentar | favorito
|

PADRÕES DA QUALIDADE DA ÁGUA - STANDARDS OF THE QUALITY OF THE WATER

Padrões da qualidade da água
Plano para o controle da qualidade da água, contemplando quatro elementos principais: o uso da água (recreação, abastecimento, preservação dos peixes e dos animais selvagens, industrial, agrícola); os critérios para a proteção desses usos; os planos de tratamento (para o necessário melhoramento dos sistemas de esgotamento urbano e industrial); e a legislação antipoluição para proteger a água de boa qualidade existente (The World Bank, 1978). Conjunto de parâmetros e respectivos limites, em relação aos quais os resultados dos exames de uma amostra de água são comparados para se aglutinar sua qualidade para determinado fim (CARVALHO, 1981).
publicado por LUCIANO às 20:55
link do post | comentar | favorito
|

PADRÕES AMBIENTAIS - AMBIENT STANDARDS

Padrões ambientais
Estabelece o nível ou grau de qualidade exigido pela legislação ambiental para parâmetros de um determinado componente ambiental. Em sentido restrito, padrão é o nível ou grau de qualidade de um elemento (substância, produto ou serviço) que é próprio ou adequado a um determinado propósito. Os padrões são estabelecidos pelas autoridades como regra para medidas de quantidade, peso, extensão ou valor dos elementos. Na gestão ambiental, são de uso corrente os padrões de qualidade ambiental e dos componentes do meio ambiente, bem como os padrões (ARRUDA et alii, 2001).
publicado por LUCIANO às 20:52
link do post | comentar | favorito
|

OZÔNIO - OZONE

Ozônio
Gás azulado, muito oxidante e reativo. Estima-se que 90% do ozônio disponível esteja concentrado na camada que protege o planeta dos raios ultravioletas. (2) Gás com odor característico, incolor. O Ozônio é bom e mau. Nas camadas elevadas da atmosfera, é importante porque filtra os raios ultravioletas. Ao nível do solo, é perigoso porque forma poluentes tóxicos, reagindo com outros gases da atmosfera poluída. (3) Gás de odor picante, cuja molécula consiste de três átomos de oxigênio, constituindo um oxidante fotoquímico. Ocorre na Natureza em relativa alta concentração, numa faixa da atmosfera por isso chamada de camada de ozônio; esta camada protege a biosfera do excesso de radiação ultravioleta. Por outro lado, o ozônio em concentraç ões acima do normal na baixa atmosfera torna-se um veneno à vida. Estas duas alterações ambientais observadas atualmente na sua concentração (diminuição na camada de ozônio e aumento na baixa atmosfera) são atribuídas a atividades humanas. (4) (O3)Composto formado quando o gás de oxigênio é exposto à radiação ultravioleta; na atmosfera externa (estratosfera), o ozônio protege a Terra contra a radiação excessiva; na atmosfera inferior (troposfera), forma-se a partir de gases de combustão e, em grandes concentrações, torna-se um poluente atmosférico. (5) Gás formado por moléculas constituídas por três átomos de oxigênio ao invés de dois (como é o oxigênio comum que respiramos) (Glossário Libreria, 2003).
tags:
publicado por LUCIANO às 20:29
link do post | comentar | favorito
|

OXIGÊNIO DISSOLVIDO - DISSOLVED OXYGEN

Oxigênio dissolvido - OD
(1) Oxigênio dissolvido em água, água residuária ou outro líquido, geralmente expresso em miligramas por litro, partes por milhão ou percentagem de saturação (ACIESP, 1980). (2) É, tradicionalmente, considerado o oxigênio molecular (em estado livre), proveniente da dissolução do oxigênio atmosférico, somado ao oxigênio da fotossíntese. Inclui-se também o oxigênio puro eventualmente empregado para reoxigenação artificial de uma seção de um corpo de água desoxigenado (técnica ainda em estágio experimental). Não se deve confundir com o oxigênio que, combinado com o hidrogênio, entra na composição da molécula de água, na proporção de um para dois átomos.
publicado por LUCIANO às 20:27
link do post | comentar | favorito
|

OXIGÊNIO - OXYGEN

Oxigênio
Gás incolor e inodoro de fórmula química O2. É essencial à vida. O oxigênio é um elemento natural e ocorre em 21% em volume no ar que respiramos. O corpo humano utiliza o ar para o metabolismo. Oxigênio consumido. Quantidade de oxigênio necessário para oxidar a matéria orgânica e inorgânica numa determinada amostra (ACIESP, 1980).
tags:
publicado por LUCIANO às 20:23
link do post | comentar | favorito
|

OXIDAÇÃO

Oxidação
Oxidação biológica ou bioquímica. Processo pelo qual bactérias e outros microorganismos se alimentam de matéria orgânica e a decompõem. Dependem desse princípio a autopurificação dos cursos d´água e os processos de tratamento por lodo ativado e por filtro biológico (The World Bank, 1978). (2) Processo em que organismos vivos, em presença ou não de oxigênio, através da respiração aeróbia ou anaeróbia, convertem matéria orgânica contida na água residuária em substâncias mais simples ou de forma mineral (CARVALHO, 1981).
publicado por LUCIANO às 20:21
link do post | comentar | favorito
|

ORDENAMENTO AMBIENTAL - AMBIENT ORDER

Ordenamento Ambiental
Também chamado de ordenamento ecológico, é o conjunto de metas, diretrizes, ações e disposições coordenadas, destinado a organizar, em certo território, o uso dos recursos ambientais e as atividades econômicas, de modo a atender a objetivos políticos (ambientais, de desenvolvimento urbano e econômico, etc.). Está relacionado a planejamento ambiental.
publicado por LUCIANO às 17:44
link do post | comentar | favorito
|

ONG - ORGANIZAÇÃO NÃO GOVERNAMENTAL

ONG
Organização não governamental; expressão difundida a partir dos Estados Unidos (em inglês non governmental organization/NGO) para designar grupos de ação independente, sem vinculação com a administração pública; usado para designar as associações ambientalistas. (2) Organizações Não Governamentais, grupos de pressão social, de caráter diverso (ambientalistas, étnicos, profissionais etc) que não tenham relação com o Estado(Glossário Ibama, 2003).
publicado por LUCIANO às 17:41
link do post | comentar | favorito
|

OLIGOTRÓFICO

Oligotrófico
Ambiente em que há pouca quantidade de compostos de elementos nutritivos de plantas e animais. Especialmente usado para corpos d´água em que há pequeno suprimento de nutrientes e daí uma pequena produção orgânica (ACIESP, 1980). (2) Diz-se dos lagos que possuem um baixo teor de substâncias nutrientes básicas para vegetais e onde falta uma estratificação nítida no que diz respeito ao oxigênio dissolvido, no verão e no inverno (CARVALHO, 1981).
publicado por LUCIANO às 17:39
link do post | comentar | favorito
|

OCUPAÇÃO DO SOLO - OCCUPATION OF THE GROUND

Ocupação do solo
Utilização dos espaços com fins produtivos (agricultura, pecuária, indústria, comércio). A ocupação do solo admite graus muito diversos de intensidade e de formas. O ordenamento de espaço feito pelos planificadores urbanos constitui um modelo concreto de ocupação do solo. (2) Ação ou efeito de ocupar o solo, tomando posse física do mesmo, para desenvolver uma determinada atividade produtiva ou de qualquer índole, relacionada com a existência concreta de um grupo social, no tempo e no espaço geográfico (SAHOP, 1978).
publicado por LUCIANO às 17:35
link do post | comentar | favorito
|

NUTRIENTES - NUTRIENTS

Nutrientes
Qualquer substância do meio ambiente utilizada pelos seres vivos, seja macro ou micronutriente, por exemplo, nitrato e fosfato do solo (GOODLAND, 1975). (2) Elementos ou compostos essenciais como matéria-prima para o crescimento e desenvolvimento de organismos, como, por exemplo, o carbono, o oxigênio, o nitrogênio e o fósforo (The World Bank, 1978). (3) São os compostos de NH3 e PO4 indispensáveis para o desenvolvimento de microorganismos, como algas e sistema secundário de tratamento e suas descargas nos rios e lagos (CARVALHO, 1981). (4) Que fornece nutrição; elementos minerais ou compostos orgânicos requeridos para as funções vitais de animais e vegetais.
publicado por LUCIANO às 17:33
link do post | comentar | favorito
|

NÍVEL TRÓFICO - LEVEL TRÓFICO

Nível trófico
Cada nível alimentar em uma cadeia alimentar. (2) Número de etapas que separam um organismo dos vegetais clorofilianos na cadeia alimentar (DAJOZ, 1973). (3) Etapas, mais ou menos marcadas e estratificadas no espaço e no tempo, através das quais os processos de ciclagem transformam os recursos de um estado para outro (por exemplo, do mineral ao vegetal e depois ao animal) (DANSEREAU, 1978).
publicado por LUCIANO às 17:30
link do post | comentar | favorito
|

NITROGÊNIO - NITROGEN

Nitrogênio (CICLO)
Principal gás que existe na atmosfera, o nitrogênio intervém na biosfera através de um complexo ciclo que envolve trocas entre atmosfera, solo e seres vivos. A bactéria Rhizobium, que cresce nas raízes das plantas leguminosas (feijão, soja), fixa o nitrogênio do ar, transformando-o em nitrato, um nutriente fundamental para as plantas.
publicado por LUCIANO às 17:28
link do post | comentar | favorito
|

NITRIFICAÇÃO

Nitrificação
Conversão de amônia em nitratos, por bactérias aeróbias, passando por nitritos como etapa intermediária (ABNT, 1973). (2) Oxidação do nitrogênio orgânico e amoniacal (nitrogênio Kjeldahl) presente nas águas poluídas, em nitrito por bactérias nitrosomas e, em seguida, em nitratos por nitrobactérias (LEMAIRE & LEMAIRE, 1975).
publicado por LUCIANO às 17:23
link do post | comentar | favorito
|

NICHO ECOLÓGICO - ECOLOGICAL NICHE

Nicho ecológico
Conjunto de diversas variáveis ambientais relacionado a uma determinada espécie. (2) Micro hábitat típico de uma espécie em um ambiente. Por exemplo, bromeliáceas epífitas vivem no dossel de matas e certas formas marinhas escolhem formações rochosas no leito de oceanos como seu lar. (3) Parte do hábitat onde vive uma espécie. Trata-se de uma informação importante porque revela a relação desta espécie com as demais: o que ela ingere, quem são seus predadores, onde e quando se reproduz, etc. Duas espécies bem próximas, que tenham exatamente as mesmas exigências, não podem dividir o mesmo nicho e uma delas será eliminada. (4) Inclui não apenas o espaço físico ocupado por um organismo, mas também seu papel funcional na comunidade (como, por exemplo, sua posição na cadeia trófica) e a sua posição nos gradientes ambientais de temperatura, umidade, pH, solo e outras condições de existência. O núcleo ecológico de um organismo depende não só de onde vive, mas também do que faz (como transforma energia, como se comporta e reage ao meio físico e biótico e como o transforma) e de como é coagido por outras espécies (ODUM, 1972). (5) O lugar de uma espécie na comunidade, em relação às outras espécies, o papel que desempenha um organismo no funcionamento de um sistema natural (GOODLAND, 1975). (6) Baseada no princípio de Gause ou princípio de exclusão competitiva, a noção de nicho ecológico foi desenvolvida pela primeira vez por Elton, em 1927. De acordo com uma imagem figurativa de Odum (1988, p. 254/258) �o habitat de uma espécie corresponde ao seu endereço, enquanto o seu nicho ecológico corresponde à sua profissão, no conjunto de espécies de que faz parte�. O conhecimento do nicho ecológico permite responder às seguintes questões: como, onde e as expensas de quem uma espécie se alimenta, por quem é comida, como e onde e quando descansa e se reproduz? No limite, pode-se admitir que duas espécies que possuem exatamente as mesmas necessidades, não podem coabitar ou ocupar o mesmo habitat, uma delas sendo forçosamente eliminada ao fim de um certo tempo (Glossário Ibama, 2003).
publicado por LUCIANO às 17:20
link do post | comentar | favorito
|

NICHO

Nicho
O papel desempenhado por uma espécie particular no seu ecossistema. (2) Localização ecológica de uma espécie em uma comunidade ou ecossistema. Por exemplo: posição na cadeia trófica; o limite do nicho é ditado pela presença de espécies competidoras.
tags:
publicado por LUCIANO às 17:17
link do post | comentar | favorito
|

NATUREZA

Natureza
Em ciências ambientais, tudo o que existe, exceto as obras humanas, mas incluindo os humanos. (2) Designação genérica para os organismos vivos e seu ambiente; o mundo natural.
tags:
publicado por LUCIANO às 17:14
link do post | comentar | favorito
|

MUTIRÃO AMBIENTAL

Mutirão ambiental
Recurso administrativo estabelecido pela resolução n.° 003/89 do CONAMA, que permite a fiscalização de unidades de conservação e áreas protegidas pela sociedade civil; o mutirão ambiental é formado por um grupo de, no mínimo, três pessoas credenciadas por órgão ambiental competente; a autorização também se estende para reservas ecológicas de caráter privado.
publicado por LUCIANO às 08:02
link do post | comentar | favorito
|

MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Mudanças climáticas
Termo genérico que engloba vários assuntos, como o efeito estufa, as causas da intensificação deste fenômeno natural, as conseqüências do aquecimento global, as medidas necessárias para prevenir ou minimizar este aquecimento, e também as prováveis medidas que a humanidade deverá adotar para se adaptar a esta mudança; a mudança climática vem se tornando uma área de conhecimento transdisciplinar, envolvendo várias ciências: física, química, geologia, oceanografia, meteorologia, geografia, biologia, ecologia, economia, sociologia e engenharia.
publicado por LUCIANO às 08:00
link do post | comentar | favorito
|

MOVIMENTO ECOLÓGICO

Movimento ecológico
Movimentos de ação social que, a partir da formação de grupos integrados, pretende estimular uma atitude fundamental de defesa do equilíbrio e de uma melhor qualidade de vida. São gerados e organizados por grupos sociais os mais diversos, como associações de bairro, conservacionistas, profissionais, clubes, igrejas e outros, e podem constituir grupos de pressão junto aos poderes públicos e as organizações privadas (Assessoria de Comunicação, FEEMA, informação pessoal, 1986).
publicado por LUCIANO às 07:57
link do post | comentar | favorito
|

MONUMENTOS NATURAIS

Monumentos naturais
As regiões, os objetos, ou as espécies vivas de animais ou plantas, de interesse estético ou valor histórico ou científico, aos quais é dada proteção absoluta, com o fim de conservar um objeto específico ou uma espécie determinada de flora ou fauna, declarando uma região, um objeto, ou uma espécie isolada, monumento natural inviolável, exceto para a realização de investigações científicas devidamente autorizadas, ou inspeções oficiais (Decreto legislativo nº 03, de 13.02.48). (2) Formações de caráter excepcional cuja preservação é de interesse público (por exemplo: uma árvore, fontes, rochas, afloramentos geológicos, cavernas, montanhas, serras).
publicado por LUCIANO às 07:54
link do post | comentar | favorito
|

MONÓXIDO DE CARBONO

Monóxido de carbono
Gás incolor, inodoro e venenoso produzido pela combustão incompleta de madeira, carvão, óleo e gasolina. Carros e caminhões emitem monóxido de carbono. Respirar muito monóxido de carbono pode tornar a pessoa doente. (2) Símbolo químico CO; gás produzido pela queima incompleta de hidrocabonetos, como na queima de combustíveis fósseis (emissões de veículos movido a gasolina ou diesel) ou pela decomposição parcialmente anaeróbica de matéria orgânica; altamente tóxico, um dos principais poluentes do ar.
publicado por LUCIANO às 07:51
link do post | comentar | favorito
|

MONOCULTURA

Monocultura
Cultivo de uma única espécie vegetal em determinada área. Esta prática provoca desequilíbrios ecossistêmicos e, em conseqüência, o aparecimento de "pragas" , isto é, a concentração em grande escala de determinada espécie animal ou vegetal que podem devastar uma lavoura inteira se não forem erradicadas logo. (2) Sistemas de uma só espécie de colheita, essencialmente instável, porque, ao se submeterem a pressões, são vulneráveis à competição, às enfermidades, ao parasitismo, à depredação e a outras ações recíprocas negativas (ODUM 1972). (3) São ecossistemas agrícolas tão simplificados que produzem somente um tipo de colheita. São muito instáveis, pois, submetidos a pressões, são totalmente vulneráveis por sua homogeneidade (CARVALHO, 1981).
publicado por LUCIANO às 07:48
link do post | comentar | favorito
|

MONITORAMENTO DE IMPACTO AMBIENTAL

Monitoramento de impacto ambiental
O processo de observações e medições repetidas, de um ou mais elementos ou indicadores da qualidade ambiental, de acordo com programas pré-estabelecidos, no tempo e no espaço, para testar postulados sobre o impacto das ações do homem no meio ambiente (BISSET, 1982). (2) No contexto de uma avaliação de impacto ambiental, refere-se à medição das variáveis ambientais após o início da implantação de um projeto (os dados básicos constituindo as medições anteriores ao início da atividade) para documentar as alterações, basicamente com o objetivo de testar as hipóteses e previsões dos impactos e as medidas mitigadoras (BEANLANDS, 1983).
publicado por LUCIANO às 07:45
link do post | comentar | favorito
|

MONITORAMENTO AMBIENTAL

Monitoramento ambiental
Acompanhamento, através de análises qualitativas e quantitativas, de um recurso natural, com vista ao conhecimento das suas condições ao longo do tempo. É um instrumento básico no controle e preservação ambiental. (2) Determinação contínua e periódica da quantidade de poluentes ou de contaminação radioativa presente no meio ambiente (The World Bank,1978). (3) Coleta, para um propósito predeterminado, de medições ou observações sistemáticas e intercomparáveis, em uma série espaço-temporal, de qualquer variável ou atributo ambiental, que forneça uma visão sinóptica ou uma amostra representativa do meio ambiente (ARRUDA et alii, 2001).
publicado por LUCIANO às 00:08
link do post | comentar | favorito
|

METEOROLOGIA

Meteorologia
Estudo dos movimentos e fenômenos da atmosfera terrestre nas suas relações com o tempo e o clima, com o fim de efetuar a previsão dotempo, por medições de temperatura, precipitação, pressão atmosférica, velocidade e direção do vento. (2) É a ciência que estuda os fenômenos atmosféricos e as leis que os regem. A meteorologia desenvolveu-se com o processo da aviação; o avião é usado para observações sendo um dos mais exigentes usuários da meteorologia. Para a coleta de dados existem as estações meteorologicas. Sua função é fazer observações meteorológicas, coletar e distribuir dados. Provavelmente, a mais importante função de um centro meteorológico, sob o ponto de vista das tripulações, é fazer previsões de tempo (Glossário Libreria, 2003).
publicado por LUCIANO às 00:06
link do post | comentar | favorito
|

METAIS PESADOS

Metais pesados
Metais como o cobre, zinco, cádmio, níquel e chumbo que, se presentes na água ou no ar em elevadas concentrações, podem retardar ou inibir os processos biológicos ou se tornarem tóxicos aos organismos vivos. (2) Grupo de elementos minerais que agem como poluentes de ecossistemas e que são geralmente muito tóxicos. Os metais pesados são o mercúrio, cádmio, chumbo, zinco, cromo, níquel, selênio, cobre, a platina e o arsênio. Eles se acumulam no organismo das plantas e animais e, através da cadeia alimentar, podem chegar ao homem. (3) Metais que podem ser precipitados por gás sulfídrico em solução ácida; por exemplo: chumbo, prata, ouro, mercúrio, bismuto, zinco e cobre (ABNT, 1973). (4) São metais recalcitrantes, como o cobre e o mercúrio - naturalmente não biodegradáveis - que fazem parte da composição de muitos pesticidas e se acumulam progressivamente na cadeia trófica (CARVALHO, 1981).
publicado por LUCIANO às 00:03
link do post | comentar | favorito
|

MEIO AMBIENTE

Meio ambiente
Apresentam-se, para meio ambiente, definições acadêmicas e legais, algumas de escopo limitado, abrangendo apenas os comportamentos naturais, outras refletindo a concepção mais recente, que considera o meio ambiente um sistema no qual interagem fatores de ordem física, biológica e sócio-econômica. (2) O conjunto, em um dado momento, dos agentes físicos, químicos, biológicos e dos fatores sociais susceptíveis de terem um efeito direto ou indireto, imediato ou o termo, sobre os seres vivos e as atividades humanas (POUTREL & WASSERMAN, 1977). (3) A soma das condições extremas e influência que afetam a vida, o desenvolvimento e, em última análise, a sobrevivência de um organismo (The World Bank, 1978). (4) O conjunto do sistema externo físico e biológico, no qual vivem o homem e os outros organismos (PNUMA apud SAHOP, 1978). (5) Meio-ambiente - o conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em todas as suas formas (Lei 6.938 de 31.08.81 - Brasil). (6) Condições, influências ou forças que envolvem e influem ou modificam: o complexo de fatores climáticos, edáficos e bióticos que atuam sobre um organismo vivo ou uma comunidade ecológica e acaba por determinar sua forma e sua sobrevivência; a agregação das condições sociais e culturais (costumes, leis, idiomas, religião e organização política e econômica) que influenciam a vida de um indivíduo ou de uma comunidade (FEEMA, 1997). (7) Conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica que permite, abriga e rege a vida em todas as suas formas (Lei n.° 6.938, de 31 de agosto de 1981) (FEEMA, 1997). (8) Tudo aquilo que cerca ou envolve os seres vivos e as coisas, incluindo o meio social-cultural e sua relação com os modelos de desenvolvimento adotados pelo homem (Glosário Ibama, 2003).
publicado por LUCIANO às 00:00
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds